O projeto

Esta pesquisa segue um desenho conhecido como “Retrospective Treatment Outcome (RTO)”. Este método envolve a todos. O objetivo é coletar informações precisas sobre as medidas preventivas e tratamentos utilizados, e a ocorrência e progressão da doença. Cuidados especiais são tomados para assegurar que a doença, as medidas preventivas e os tratamentos sejam definidos corretamente. Ao coletar um grande número de questionários, o processamento estatístico das respostas poderia permitir destacar as medidas preventivas associadas à redução do risco de doença, e os tratamentos associados a melhores resultados (ou recuperação).

No contexto da pandemia de Covid-19, as medidas preventivas têm um papel fundamental. O questionário da RTO, portanto, contém um grande número de perguntas relacionadas à prevenção, com o objetivo de avaliar sua eficácia.

Objetivos

Muitas questões estão abertas no contexto da pandemia da Covid-19. O objetivo principal desta pesquisa é descrever as práticas de todos e associar a ocorrência e a mudança dos sintomas a estas práticas.

Graças ao grande número de respondentes, tal estudo pode servir como um ponto de partida para futuros estudos clínicos. De fato, se um determinado tratamento é freqüentemente associado à melhora dos sintomas, esta pesquisa poderia tornar possível destacar um tratamento promissor para avaliar sua ação com maior precisão através de estudos clínicos.

Em termos de prevenção, tal estudo poderia tornar possível destacar medidas preventivas associadas a uma ausência de doença, em particular para pessoas em risco, seja através de sua saúde ou de seu trabalho.

Resultados do estudo

Os resultados desta pesquisa serão publicados neste site e conduzirão a publicações científicas. Os resultados não estarão disponíveis por vários meses, pois precisamos de tempo para processar os dados.

Referências
  • Diallo, D., et al., Malaria treatment in remote areas of Mali: use of modern and traditional medicines, patient outcome. Transactions of The Royal Society of Tropical Medicine and Hygiene, 2006. 100(6): p. 515-520.

  • Graz, B., et al., Screening of traditional herbal medicine: first, do a retrospective study, with correlation between diverse treatments used and reported patient outcome. Journal of Ethnopharmacology, 2005. 101(1-3): p. 338-9.

  • Graz, B., M. Willcox, and E. Elisabetsky, Retrospective Treatment-Outcome as a Method of Collecting Clinical Data in Ethnopharmacological Surveys. Ethnopharmacology, 2015: p. 251-262.

  • Graz, B., C. Kitalong, and V. Yano, Traditional local medicines in the republic of Palau and non-communicable diseases (NCD), signs of effectiveness. J Ethnopharmacol, 2015. 161: p. 233-7.

  • Graz, B., et al., Dysmenorrhea: patience, pills or hot-water bottle? Rev Med Suisse, 2014. 10(452): p. 2285-8.

  • Graz, B., et al., Argemone mexicana decoction versus artesunate-amodiaquine for the management of malaria in Mali: policy and public-health implications. Trans. R. Soc. Trop. Med. Hyg., 2009. 104(1): p. 33-41.

  • Kitalong, C., et al., "DAK", a traditional decoction in Palau, as adjuvant for patients with insufficient control of diabetes mellitus type II. J Ethnopharmacol, 2017. 205: p. 116-122.

  • Little, P., et al., Open randomised trial of prescribing strategies in managing sore throat.[see comment]. British Medical Journal, 1997. 314(7082): p. 722-7.

  • Little, P., et al., An internet-delivered handwashing intervention to modify influenza-like illness and respiratory infection transmission (PRIMIT): a primary care randomised trial. Lancet, 2015. 386(10004): p. 1631-9.

  • Seck, S.M., et al., Clinical efficacy of African traditional medicines in hypertension: A randomized controlled trial with Combretum micranthum and Hibiscus sabdariffa. Journal of Human Hypertension, 2017. 32(1): p. 75-81.

  • Willcox Merlin, L., et al., A "reverse pharmacology" approach for developing an anti-malarial phytomedicine. Malar J, 2011. 10 Suppl 1: p. S8.